Infraestrutura viabiliza antecipação das obras da Siderúrgica do Pecém

18 de junho de 2009 - 03:00

A instalação da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) começará ainda este ano. O anúncio da antecipação das obras, que deveriam iniciar em janeiro de 2010, foi feita ontem (17), no auditório do Palácio Iracema, durante a solenidade de assinatura do protocolo de intenções entre o Governo do Estado, os sócios da CSP – Vale e DongKuk Steel, com as presenças da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, do diretor-executivo da DongKuk, Yung Mun, do diretor de siderúrgia da Vale, Aristides Corbelini, políticos, empresários e representantes de diversos órgãos ligados ao setor.

Segundo Aristides Corbellini, a implantação da CSP deve começar ainda este ano devido a existência de todos os fatores necessários para o início das obras, como a infraestrutura. A siderúrgica produzirá 6 milhões de placas de aço anuais, dos quais 3  milhões serão fabricadas na primeira fase de funcionamento do projeto, que começa a operar em 2013, dobrando essa capacidade em 2015. O empreendimento ocupará área de 1 mil hectares naquele complexo industrial e portuário. O investimento previsto com o projeto é de cerca de R$ 15 bilhões (US$ 7,5 bilhões) em suas duas fases. A construção da primeira fase da CSP demandará a criação de mais de 15 mil empregos diretos e fase de operação, serão gerados mais de 4 mil postos de trabalho formais no Ceará. A implantação da CSP no Ceará implicará em uma ampliação em faturamento anual de 45% do Produto Interno Bruto (PIB), somente na primeira fase. O secretário da infraestrutura do Estado, Adail Fontenele, que também assinou o documento, destacou que o Governo do Estado fez por onde viabilizar a Usina uma vez que tem investido forte em obras como o Terminal de Múltiplo Uso do Pecém (TMUT), que possibilitará um píer exclusivo para os produtos da siderúrgica, e a correia transportadora de minérios, que levará o principal combustível para o empreendimento, entre outros investimentos.

O Governador Cid Gomes destacou a importância do empreendimento para o crescimento da economia do Estado, ressaltando que para o crescimento econômico e social do Estado é imprescindível que sejam implantadas indústrias de base, como uma siderúrgica e uma refinaria, de forma a torna o Estado mais atrativo e mais competitivo. “Com a siderúrgica e  refinaria, vamos buscar atrair uma laminadora, uma indústria automotiva, um pólo petroquímico vamos deslanchar para a economia do país em mundo”,disse. A ministra Dilma Rousseff, por sua vez, reforçou que estes empreendimentos tem uma grande capacidade de atração de novos ramos industriais. Para o diretor executivo da DongKuk, Yung Mun, a assinatura do protocolo significa a realização de um sonho que começou a partir de 2007, com as articulações junto à Vale, governos Federal, Estadual e municipal para a criação da CSP.